Amanda Lyra. Foto: Vitor Vieira

A companhia: Amanda Lyra

Atriz, diretora, produtora e mãe. Não necessariamente nessa ordem. Formada pela Escola de Arte Dramática da USP. Idealizou, produziu e atuou nos espetáculos: Tragédia: uma tragédia, de Will Eno, com direção de Carolina Mendonça e que estreou no Sesc Pompeia em 2014; Uma História Radicalmente Condensada da Vida Pós-Industrial, direção de Carolina Mendonça e com texto criado a partir do livro Breves Entrevistas com Homens Hediondos, de David Foster Wallace, que estreou na Mostra Sesc de Artes 2012 e circulou por quatro capitais com o Prêmio Funarte Myriam Muniz. Atuou nos espetáculos A Pior Banda do Mundo, da Cia. dos Outros e Mateus, 10, do grupo Tablado de Arruar. Fez assistência de direção e atuou para Leonardo Moreira no espetáculo O Jardim, da Cia Hiato. Também atuou nos espetáculos Êxtase, texto de Mike Leigh e direção de Mauro Baptista Vedia, que estreou no CCBB-SP, Há um Crocodilo Dentro de Mim, direção de Silvana Garcia, que estreou no Sesc Consolação. Atualmente co-dirige, junto com Carolina Bianchi, o espetáculo Solos Impossíveis, da Cia. do Outros e ensaia como atriz a nova peça do Tablado de Arruar, Abnegação 3. Na TV, atuou na série de FDP (HBO), no telefilme A Performance, dirigido por Mauro Baptista Vedia e Luis Dantas para a TV Cultura e na série Agora Sim, no canal Sony.